A sobrinha-neta querida

Por Rafael Veloso*

Caderno Dez! - Jornal A Tarde 20/02/2003Foi um período difícil para a família de Astolfo Albuquerque, proprietário da mais antiga fabrica de cortinas da Bahia. Pai pouco dedicado, “Seu Astolfo”, como era conhecido só pensava em ganhar cada vez mais dinheiro. Aliás, esse era o seu único prazer na vida. Nem o casamento de 53 anos com D. Amália, nem o nascimento de seus cinco filhos – três homens e duas mulheres, nem mesmo o nascimento de seu primeiro bisneto, foram mais importante do que a conquista de sua fortuna.

Seu Astolfo, se encontrava internado há 15 dias, no melhor hospital da cidade. Mas nem os melhores médicos e os tratamentos mais modernos adiantaram contra a ferocidade do câncer de próstata, que o vitimou. Um ano e meio lutando contra a doença e no sábado, em pleno carnaval, o velho resolve morrer. No velório concorrido, muitos empresários, políticos, funcionários e familiares prestando a última homenagem.

As filhas e a viúva enxugavam, com seus lenços franceses, as poucas lágrimas encobertas pelos óculos escuros. Diziam as más línguas que elas estavam tranquilas e inabaláveis, como se nem sentisse a morte do patriarca da família. Eis que adentra a sala onde estava sendo realizado o velório, a sobrinha-neta de Astolfo. Ciente da riqueza de seu tio-avó, a quem só vira uma única vez, como um furacão, começa sua dramatização. Aos prantos se atira sobre o caixão de alças banhadas à ouro.

– Oh vida cruel! Oh Deus, que castigo! Meu titio querido, tão novo – sendo interrompida por um dos filhos do defunto, que curioso para saber de quem se travará aquela figura, trajando um vestido longo prata brilhante e um arranjo de cabelo em forma de pavão, como se estivesse pronta para algum baile de carnaval, disse:

– Ele completaria 88 anos. Ela desconsertada, respondeu dizendo “que para Deus todos nós somos apenas criancinhas.”

– Desculpe, mas quem é a senhora? Era a pergunta que todos se faziam.

– Senhorita, por favor. Sou Ana Letícia Cristina de Albuquerque Alvarenga, a sobrinha-neta preferida do titio “Astó”.

– E única – retrucou o filho do morto, –  já  que a prima Elidia, sua mãe, só tem você.

E nesse pequeno tumulto, ouve-se um celular desesperadamente a tocar. E todo o ambiente que permanecia atônito com a chegada da sobrinha-neta, ficou chocado com o conteúdo da conversa.

– Oi Claudinha, querida, estou enterrando meu titio amado. Ah, mais claro! Claro que vou ver o Chiclete passar amanhã. E você acha que eu sou louca de perder essa oportunidade de ver o “Marquinhos”, o “Paulinho”, “Serginho”, “Eduardo Augusto”, o “Evandro Carlos”, todos os melhores partidos de Salvador. Só vai dar eu!!!

*Rafael Veloso é estudante do 1° Semestre de Jornalismo da FIB (Faculdade Integrada da Bahia).

Rafael Veloso

É editor do Site Rafael Veloso.com.br. Jornalista formado pelo Centro Universitário da Bahia – Estácio / FIB, em 2009. Tem experiência com produção de rádio e TV, passagem por veículos impressos e sites. Atua em assessoria de imprensa desde 2010.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *