As exigências do emprego

Rafael VelosoQuando fui procurar meu primeiro emprego, em 2001, aos 18 anos, não achava que seria tão difícil, afinal, eu já havia me qualificado para as exigências do famigerado mercado de trabalho. Sabendo que para ingressar no hall dos assalariados, deveria atender alguns pré-requisitos impostos por meu futuro patrão, então, aos 16 anos, resolvi começar a me preparar.

Sabia que naquela época, as condições necessárias para ocupar um posto de trabalho eram ter conhecimento em informática e noções básicas em inglês. Fui à busca desses certificados. Pensei em fazer um curso de informática básico e depois “um ano e meio com prazer” de aula de inglês. Só que nem tudo saiu como eu planejava. Primeiro descobri que o valor do curso de língua estrangeira não era compatível ao orçamento de meus pais. Depois, o curso de informática se prolongou em uma doce e adorável trilogia: Office I, Office II e Editoração Eletrônica.

Fiz o primeiro curso, em maio de 2000, contrariando vários discursos desfavoráveis. Inclusive de meu irmão, que afirmava, que por não possuir um computador em casa e nem ter acesso a ele na escola, esqueceria em apenas um mês, tudo que aprendesse. Durante o intervalo de cinco meses entre o primeiro e o segundo curso, não esqueci absolutamente nada que meu instrutor Deri Rozario, havia ensinado.

Os primeiros contatos com aquela máquina tinham ocorridos no PC do padrasto de um colega da 8ª série. Era o ano de 1999, quando meu colega Igor, passou a me ajudar a fazer os trabalhos da escola no computador. Antes disso, eu datilografava todos os meus trabalhos escolares e ainda produzia o jornal mensal “O Mundo”. A vida dessa publicação foi efêmera, durou apenas cinco meses.

Amava o contato com o “micro”. Foi nessa época do curso, que pude navegar pela primeira vez na Internet. Até aquele momento, só nos conhecíamos por nome (eu e a Internet).

Primeiro emprego

Terminada a safra de cursos de informática, apesar de ainda ter a vontade de fazer o de WebDesign, era hora de procurar emprego. Mesmo que o curso de Inglês tenha ficado de lado, relegado a possibilidade de conciliá-lo com a faculdade no futuro, eu já me sentia qualificado para o mercado de trabalho. Foi assim, que em maio de 2001, comecei a fazer artes-finais n’A Casa do Estudante Informática Ltda., no fim de linha do bairro da Ribeira. Mas, como também sou movido a desafios e o trabalho de fazer cartões de visita, tirar cópias, atender clientes de encadernação, plastificação ou em busca de materiais de escritório e escolar, não me entusiasmava e acabei pedindo demissão em setembro do mesmo ano.

Dessa vez o vilão do desemprego só me assustou por um mês e meio. No início de outubro, já estava trabalhando na Casario Editora e Serviços Ltda. A princípio, cobriria apenas os 15 dias de férias do programador visual. Mas, como os projetos eram muitos, acabei ficando lá sete meses. Foram momentos muito agradáveis, onde pode conhecer dezenas de pessoas e lugares legais, que eu jamais pensaria em conhecer. Além, de ter exercitado várias funções dentro da pequena produtora.

Em agosto de 2002, após minha demissão da Casario, me dedique exclusivamente ao vestibular no final do ano. Fiz curso pré-vestibular no Sagrado de Nazaré. Foram quatro meses de intensivão, onde o objetivo era estudar, mas que serviram também para eu descobrir que a vida fica tão mais leve com a presença de amigos e que não é necessário estar com eles 24 horas por dia ou todos os dias do ano. Basta saber simplesmente que eles existem e que estão sempre a lhe apoiar.

A Faculdade

Em 2003, ingressei na Faculdade Integrada da Bahia (Agora, a FIB é Centro Universitário da Bahia), no curso de Comunicação Social com habilitação em Jornalismo. Foi em 2003, também um dos melhores anos da minha vida (pelo menos até agora!). Estava completamente apaixonado pelo curso e entusiasmado com a faculdade. No primeiro semestre fui representante de turma. Envolvi-me na organização da 1ª SECOM – Semana de Comunicação, trazendo para Salvador o jornalista Carlos Dornelles.

O repórter da Rede Globo proferiu uma palestra e lançou o livro “Deus é inocente, a imprensa não”, sobre a cobertura da imprensa nos atentados aos torres gêmeas do Wold Trade Center, em 11 de setembro de 2001. Participei da oficina de Webjornalismo organizada pelo Site UOL e pela Revista Imprensa e ministrada pelo jornalista Cássio Politi.

Foi na FIB, que aprendi que faculdade não é só uma escola com nível elevado e sim o local onde pessoas de diferentes culturas se reúnem para discutirem o seu tempo e extrair dos seus mestres o melhor que eles têm a nos passar. Foi na FIB, também, que conheci Agnes Mariano, jornalista premiada várias vezes e a qual me conquistou pelos conselhos, ensinamentos, experiência de vida e boa vontade. Tomo aqui a iniciativa de publicar uma mensagem eletrônica que ela me enviou e que guardo com muito carinho em meu computador e também no meu coração:

Oi Rafa,

Soube pelos seus colegas que você tinha trancado (o semestre letivo na faculdade). Não desanime tá? Lembre dos seus sonhos todos os dias, procurando uma brecha para concretizá-los. É inevitável que às vezes a gente precise parar algumas coisas, dar atenção a outras. É só um teste da vida, para ver se estamos alertas e se somos determinados o suficiente para ter paciência e retomar o caminho depois.

Você é uma das pessoas mais apaixonadas por jornalismo que já conheci. Você é sério, dedicado, inteligente, por isso nada poderá impedi-lo de fazer o que você desejar.

Um grande beijo,

Agnes”

A FIB que me deu Silvia Rebeca. A menina-mulher mais levada na breca e centrada ao mesmo tempo, que já conheci. Admiro seu autocontrole, sua capacidade de tomar decisões rápidas e certeiras. A FIB me deu o Marilia Ramos (Lilão), minha panda de estimação. A aluna em que vejo um futuro brilhante, devido a sua concentração e capacidade. Te cobrarei a amizade eterna que prometeste.

A FIB me deu a pessoa que escolheria para ser o meu irmão, se isso fosse possível. Olavo Coelho, se eu pudesse lhe prometer alguma coisa: seria que a nossa amizade ultrapassaria os murros da faculdade. Não tenho vergonha de dizer que te amo, e que suas loucuras e até os seus rompantes de mau humor, alegria e êxtase, são provas de que você não é perfeito, assim como os melhores seres humanos.

Pena que com o passar dos semestres o entusiasmos com a faculdade diminuiu. Fruto de minha incompetência em administrar o tempo, dividindo-o entre a elaboração trabalhos acadêmicos com a jornada de trabalho como agente de telemarketing na TNL Contax Ltda., empresa do grupo Telemar.

Mercado cruel de trabalho

Aos 16 anos não conseguia emprego, porque não tinha conhecimento em inglês e informática. Aos 19, era calouro da faculdade e aspirante a “foca” – termo dado aos recém-formados em jornalismo -, e agora, aos 21 anos, o mercado me exige ter concluído a faculdade, sem nem querer me explicar de onde eu devo tirar dinheiro para custear meus estudos. A educação de qualidade no Brasil é cada vez mais cara, tornando-se privilégio de poucos, apenas de uma elite.

Outra exigência é experiência no cargo. Como ter experiência se ninguém deseja me dar à primeira oportunidade? Eu fico me perguntando, se aos 25 anos para atender as exigências cada vez mais ávidas do mercado de trabalho, terei que ter MBA’s e doutorado em Havard ou Sorboune. Até parece a que remuneração oferecida ao trabalhador brasileiro compensa. Depois, pesquisadores e psicólogos vão aos programas de entrevistas na TV, debaterem o “Efeito Canguru” na sociedade atual.

Efeito Canguru

O efeito canguru é a denominação que foi dada para a saída tardia dos jovens da casa dos pais. Mas, como sair do conforto, da segurança e até, em alguns lares, da privacidade de poder passar a noite com o (a) namorado (a) na casa dos pais, se o mercado de trabalho do país “Petracampeão de Futebol”, discrimina os negros, as mulheres, os idosos e desacredita em seus jovens?

Rafael Veloso

É editor do Site Rafael Veloso.com.br. Jornalista formado pelo Centro Universitário da Bahia – Estácio / FIB, em 2009. Tem experiência com produção de rádio e TV, passagem por veículos impressos e sites. Atua em assessoria de imprensa desde 2010.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *