Evento na Biblioteca Pública do Estado lembra os 20 anos sem Cazuza

Foto: /  Divulgação
Foto: Divulgação
Evento lembra os 20 anos sem Cazuza, primeiro líder da banda de rock "Barão Vermelho"

Veneno Antimonotonia – 20 Anos sem Cazuza, esse o título da ação cultural que a Biblioteca Pública do Estado da Bahia, nos Barris, promove deste domingo (04) até a próxima quarta-feira (07). O evento, com entrada gratuita, marcar os 20 anos da morte do cantor e compositor Cazuza (1958 – 1990), vítima de complicações do vírus HIV/AIDS.

Neste domingo (04), às 14h, no foyer da Biblioteca, será aberta a exposição do artista plástico Bi Morais. O evento conta, ainda, com a apresentação do DJ André Lopes, tocando os grandes sucessos de Cazuza e a performance do ator Dody Só. A cantora Noeme Bastos, sobe ao palco do quadrilátero da Biblioteca para fazer um show especial com a participação de Jota Veloso, Ronco da Madrugada, Thathi e Nando Borges.

Na quarta-feira (07) – data da morte de Cazuza -, às 14h, encerrando as atividades, será exibido o filme Cazuza: O Tempo não Para, dos cineastas Sandra Werneck e Walter Carvalho. Após a projeção, Carlos Barros e Vivaldo Gomes debatem o filme e a relação de Cazuza com a Bahia.

Biografia – Agenor de Miranda Araújo Neto, o Cazuza, nasceu no Rio de Janeiro, em 4 de abril de 1958, filho do produtor fonográfico João Araújo e de Lucinha Araujo. Em 1981, passou a ser o vocalista e principal letrista da banda de rock Barão Vermelho, ao lado de Roberto Frejat, Dé, Maurício Barros e Guto Goffi. Foi com o Barão Vermelho, que cazuza gravou músicas como, Todo Amor Que Houver Nessa Vida, Pro Dia Nascer Feliz, Maior Abandonado e Bete Balanço.

Em 1985, já seguindo carreira solo, Cazuza lançou sucessos como, Exagerado, Codinome Beija-Flor, IdeologiaBrasilFaz Parte Do Meu Show, O Tempo Não Pára e O Nosso Amor A Gente Inventa. Cazuza foi o primeiro artista brasileiro a assumir ser portador do vírus HIV. Em apenas nove anos de carreira, compôs 126 músicas, 78 inéditas e 34 para outros intérpretes. Após a morte do cantor, a mãe Lucinha Araujo fundou a Sociedade Viva Cazuza, com o objetivo de proporcionar uma vida melhor a crianças portadores do vírus HIV/Aids.

Serviço

Evento: Veneno Antimonotonia – 20 Anos sem Cazuza

Local: Biblioteca Pública do Estado da Bahia (Rua General Labatut, 27, Barris)

Data: de 04 a 07 de julho

Ingresso: Gratuito

Rafael Veloso

É editor do Site Rafael Veloso.com.br. Jornalista formado pelo Centro Universitário da Bahia – Estácio / FIB, em 2009. Tem experiência com produção de rádio e TV, passagem por veículos impressos e sites. Atua em assessoria de imprensa desde 2010.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *