Pesquisa comprova que a prática do sexo é mais valorizada pelos homens do que pelas mulheres

Este foi um dos dados apresentados pela pesquisadora Carmita Abdo, durante sua conferência na segunda edição do Ciclo de Palestras Holiste, realizada ontem em Salvador.

Foto: Diego Bastos
Foto: Diego Bastos

Considerado pela Organização Mundial da Saúde como um dos quatro pilares da qualidade de vida, ao lado do trabalho, do lazer e da vida familiar, o sexo é um assunto que desperta bastante curiosidade na população. Sexualidade foi o tema abordado pela médica psiquiatra e pesquisadora Carmita Abdo, em Salvador na noite dessa quarta-feira (dia 21), durante a segunda edição do Ciclo de Palestras Holiste. O evento, que lotou o auditório do São Salvador Hotéis e Convenções, no bairro do Stiep, foi aberto com a palestra da médica psiquiatra Fabiana Nery, sobre Sofrer por amor: qual o limite?.

Doutora e Livre-Docente pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), Carmita Abdo apresentou alguns dados da pesquisa realizada recentemente pelo Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. O estudo traçou um panorama das práticas e dos tabus dos relacionamentos sexuais no país e os impactos destes nas relações interpessoais, afetivas e sociais. Um dos itens da pesquisa, que entrevistou três mil homens e mulheres em sete capitais brasileiras, com idade média de 35 anos, foi o questionamento do que é qualidade de vida. Para os homens, em primeiro lugar está se alimentar, seguido de tempo para conviver com a família e em terceiro lugar está a prática do sexo, na frente de dormir bem, trabalhar no que se gosta e cuidados com a saúde. Já para as mulheres, o sexo vem em 8º lugar, perdendo na preferência feminina somente para a prática de exercícios físicos e sair de férias em família.

Segundo Carmita, as mulheres foram condicionadas a manterem distância psíquica dos seus corpos. Esse é um traço cultural, uma influência ambiental que acaba sendo transmitida por gerações através da epigenética. “Para a gente mudar isso, teremos de viver novos tempos e novas influências, para que as mulheres passem a ter um contato melhor com seus corpos. A mulher precisa se apropriar do seu corpo e também entrar em contato com as sensações físicas na mesma medida que os homens entram”, aconselha a especialista.

Considerada uma das mais importantes pesquisadoras sobre Comportamento Sexual no Brasil, Carmita Abdo fez, ainda, um paralelo entre a sexualidade desde as eras anteriores à escrita até os dias atuais. “Hoje a gente já sabe que, tanto homens e mulheres, quanto mais intelectualmente desenvolvidos e bem inseridos sócio culturalmente, melhor é o sexo que eles fazem”, afirma a especialista que se dedica a estudar o assunto há mais de 40 anos.

Sofrer por amor

A médica psiquiatra Fabiana Nery, coordenadora do Centro de Estudos Holiste fez a distinção sobre a forma de amor patológico, que gera sofrimento, do amor saudável, onde há atenção, cuidado, dedicação, bem-estar, apoio e segurança. “O amor patológico é como se o parceiro fosse uma droga que você está viciada. Causa dependência emocional, onde a pessoa fica dependente afetivamente do companheiro por ter baixa autoestima. Essas pessoas necessitam de aprovação e aceitação do outro, por não acreditarem no próprio valor”, explica Nery.

Fabiana explicou, ainda, as diferentes formas de amor, como a “Filia” – que é dedicado a amigos e familiares; “Ágape” – amor fraterno, que não há necessidade de reciprocidade; “Eros” – Amor carnal, onde é exigida exclusividade e reciprocidade; e “Delicio Amoroso” ou “Erotomania”, onde a pessoa cria um amor crônico e imaginário, geralmente por algum ídolo ou celebridade.

O Ciclo de Palestras Holiste foi aberto no mês de julho com as presenças do filósofo Luiz Felipe Pondé, que falou sobre “Os desafios da Mudança” e do psiquiatra Luiz Fernando Pedroso, diretor clinico da Holiste, com o tema “Psiquiatria para Além da Medicina”. A terceira edição do Ciclo de Palestras Holiste está prevista para acontecer no mês de novembro. Os interessados podem acompanhar a programação no site: www.holiste.com.br/palestras.

Rafael Veloso

É editor do Site Rafael Veloso.com.br. Jornalista formado pelo Centro Universitário da Bahia – Estácio / FIB, em 2009. Tem experiência com produção de rádio e TV, passagem por veículos impressos e sites. Atua em assessoria de imprensa desde 2010.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *