O corre-corre do Jornal Nacional

Há 33 anos o telejornal mais antigo do Brasil só vai ao ar à noite, mas mobiliza uma equipe de jornalistas desde as 10 da manhã*

Jornal Nacional

Diariamente, mais de 40 milhões de pessoas param para assistir ao Jornal Nacional, isso virou um hábito do brasileiro. Mas o que poucos imaginam é que, para o noticiário chegar à casa do telespectador às 20h15, editores, produtores e repórteres chegam à Central Globo de Jornalismo, no Jardim Botânico, no Rio, às 9h45. “Chego cedo para me inteirar dos assuntos. Mas o Jornal Nacional começa mesmo às 10h30, com a primeira reunião de pauta, que vai discutir os principais assuntos do dia”, diz William Bonner, editor-chefe e âncora da atração desde 1996.

Ao contrário do marido, com quem divide a apresentação do jornal, Fátima Bernardes só chega à redação no início da tarde. Tudo para poder passar a manhã com os trigêmeos Laura, Vinícius e Beatriz, de 4 anos. “Meu dia é corrido, mas tento ficar com as crianças o máximo que posso”, justifica ela, já no ritmo do trabalho.

No ar desde o dia 1º de setembro de 1969, o jornalístico foi o primeiro programa da televisão brasileira a ser transmitido em rede para todo o país. Desde então, muita coisa mudou. O cenário, a abertura e os apresentadores. Mas Bonner garante que o principal compromisso de sua equipe é fazer um jornalismo com respeito. “A minha maior preocupação é fazer um jornal agradável, com notícias leves, porém, muito informativo”, garante.

Segundo o editor-chefe, o principal inimigo de sua equipe é o tempo. Tanto que Fátima e William mal conseguem conversar. “Quarta-feira costuma ser um dia difícil. Tenho apenas 23 minutos de jornal, por causa do futebol e do número de anúncios. É muito pouco. É como colocar um elefante dentro de uma caixinha bem pequena”, brinca ele.

Quem assiste aos dois narrando as notícias calmamente não tem idéia da tensão que predomina nos bastidores. “Tudo pode acontecer. Enquanto o jornal está no ar, todos ficam atentos para qualquer notícia de última hora”, diz Bonner. “Na verdade, a tensão só acaba mesmo quando damos o tradicional boa noite”, afirma ele, que não apresenta o jornal de bermuda como imagina a maioria das pessoas.

10h30 – Na primeira reunião de pauta, Bonner comunica quanto tempo o telejornal terá no dia. Em seguida, entra em contato com os escritórios de Nova York, Londres, Brasília, São Paulo e Belo Horizonte para saber o que eles têm de notícias do país e do mundo.

Jornal Nacional

11h45 – Depois de listar os assuntos e o tempo de duração das matérias, William organiza no computador o “espelho” do jornal, que diz o que irá ao ar.

Jornal Nacional14h25 – Segunda reunião de pauta, dessa vez já com Fátima Bernardes presente. Eles atualizam o que entrou ou não no telejornal. Enquanto isso, repórteres em todo o Brasil estão preparando suas reportagens.

Jornal Nacional

16h20 – Fátima vai para a sala de maquiagem. Durante 45 minutos, é maquiada e penteada por Ronald Pereira. Enquanto se prepara, ela acompanha o noticiário da Globo News.

Jornal Nacional

17h05 – Maquiada, Fátima Bernardes vai para sua mesa e checa as últimas notícias pela internet para ver se algo interessa para o jornal.

Jornal Nacional

17h30 – A editora Cristina Souza Cruz edita e seleciona as principais notícias vindas das agências internacionais.

Jornal Nacional

17h45 – Última reunião antes de o JN ir ao ar. Os produtores do Rio, onde o jornal é gravado, recebem informações das matérias produzidas em outros estados. Tudo é repassado para o editor-chefe, William Bonner, e para o editor-executivo, Renato Ribeiro.
 
Jornal Nacional

17h55 – William Bonner e Renato Ribeiro fazem uma pausa para o cafezinho.

18h – Fátima faz a primeira chamada com assuntos a serem apresentados. A segunda entra no ar às 19h20 e a terceira às 189h50. A bancada do jornal possui computador e telefone para se comunicarem com a redação na hora do intervalo.

20h – É hora de gravar a escalada, aquele resumo eu aparece no início do jornal de cada assunto que irá ao ar logo mais.

Jornal Nacional20h15 – O JN entra no ar, ao vivo. Por trás das câmeras, dez operadores não podem falhar. Na sala de controle, 14 técnicos se ocupam do som e das legendas, além de ficarem atentos para uma notícia de última hora.

Jornal Nacional

*Matéria publicada na edição de número 1388, da revista “Contigo!”, em 23 de abril de 2002.

Rafael Veloso

Jornalista formado pelo Centro Universitário Estácio da Bahia - Estácio FIB em 2009. É editor do site Rafael Veloso.com.br desde 2003. Atuou em produção de programas de TV e rádio, tem experiência com web jornalismo e há 11 anos trabalha com Assessoria de Comunicação Interna e Externa. E-mail: contato@rafaelveloso.com.br.