Broncas do Rafa – Eu sou brasileiro e já desisti há muito tempo

De tanto ver triunfar as nulidades, prosperar a desonra, crescer a injustiça, agigantar-se o poder nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir da honra e a ter vergonha de ser honesto.” (Ruy Barbosa)

Por Rafael Veloso

Em primeiro lugar tenho que esclarecer uma questão: sempre quando lanço mão desse título parafraseando a citação de Câmara Cascudo na campanha de valorização do cidadão brasileiro do Governo Federal, no comunicador instantâneo (Messenger), meus contatos me perguntam se estou triste, depressivo e desiludido com a vida. Em relação a minha vida, não! Quanto as diversidades da vida tenho tentado fazer o “jogo do contente” da “Poliana”. Fazer limonada com os limões que o destino tem me oferecido. O “desistir a muito tempo”, tem relação direta com a situação caótica que se encontra o Brasil. O mar de lama que está imerso o nosso país. A frase do Ruy Barbosa, acima, é muito propícia, contemporânea e exemplifica essa minha desistência com o meu país.

Os escândalos pipocam graças a exigência de transparência por parte da população, que vê nos meios de comunicação sua única arma de fazer dos vários setores da sociedade um verdadeiro Big Brother da moralidade. É “mensalão” dos deputados federais e estudais de Roraima, licitações com cartas marcadas, obras superfaturadas, cervejaria sonegando impostos, adulterando placas de veículos, pagando propina a fiscais. Retaliação a obras de caráter emergencial para cidades cada vez mais inchadas por veículos e com sistemas de transportes públicos deficitários, como os atrasos de repasses de verbas e ameaça de não renovar o contrato com o Banco Mundial para o financiamento das obras do metrô de Salvador. Esse são alguns dos escândalos do momento e que nos dão a constante sensação de que todo esse circo vai acabar em pizza novamente.

Impunidade

São réus confessos sendo soltos através de habeas-corpus, como o caso de Suzane Richthofen. Porque que o juiz do caso entendeu que a confissão de envolvimento na morte dos pais, em 2002, não é suficiente para incrimina-la. Sem falar, naqueles que nem chegaram a serem presos, como relata a reportagem “Justiça lenta deixa criminosos livres”, de autoria do jornalista Deodato Alcântara, publicada na edição do último domingo, dia 26 de junho, no jornal A Tarde. É desesperador sabermos que vítimas inocentes pagam, muitas vezes, com a própria vida, em ações que demorarão para serem resolvidas, e se forem.

O mais estarrecedor é saber que esses bandidos logo estarão livres, como exemplifica a reportagem a respeito da condenação dos três acusados de sequestrar, estuprar e matar a jornalista Maristela Bouzas, de 28 anos, em novembro de 2000. O lavador de carros Robson Rodrigues Soares, hoje com 30 anos, responsável pela liderança em todo o evento criminoso, foi sentenciado em 32 anos de reclusão, mais um ano em regime aberto. Seu amigo, Valmir Farias Costa, da mesma idade, dono da casa em que a colunista foi seviciada e ficou encarcerada até o momento da execução foi absolvido. (…)

Pelo Código Penal Brasileiro (CPB), Robson teria de cumprir 30 anos de prisão, máximo de tempo de reclusão permitido no País.” “Porém devido aos benefícios previstos para progressão (redução) de pena, após o cumprimento de um sexto do tempo (cinco anos e quatro meses), apresentando bom comportamento, ele pode ser transferido ao regime semi-aberto e passado à Colônia Penal Lafayete Coutinho, onde poderia sair diariamente caso se empregue.

Alimentados por essa sensação de impunidade, bandidos continuam agindo livres, como ocorreu com a estudante de direito Érica Araújo Uberman, de 27 anos, que corre o risco de ficar paraplégica. Ela foi baleada nas costas em uma tentativa de assalto ocorrida em um semáforo da Av. Garibaldi, no último dia 9. Dias antes uma mulher de 60 anos, também levou um tiro no tórax, nas mesmas imediações. É por isso um cidadão no Rio de Janeiro entrou com uma ação cobrando indenização do Estado por ter sido assaltado e ter tido o carro levado por ladrões, a poucos metros de uma delegacia de policia. O júri entendeu o argumento do requerente de que pela Constituição Brasileira é dever do Estado dar segurança a população. O estado do Rio de Janeiro já informou que vai recorrer.

Sociedade Alternativa

Hoje (28/06) em entrevista ao programa TV Revista da TV Educativa da Bahia, o ator Gideon Rosa, integrante do elenco da peça teatral Raul Seixas – A metamorfose ambulante, lembrou o caráter anárquico do cantor e compositor “maluco beleza” que vivo estaria completando 60 anos, e exigiu dos brasileiro, atualmente, uma postura semelhante com a que Raul tinha diante de tanta bandalheira, até 1989 – ano de sua morte.

Não acho que cruzando os braços, ou abandonando o barco quando ele ameaça afundar – como fazem os ratos -, deva ser atitudes a serem seguidas a cada nova crise que o Brasil enfrente. Mas, também acho, que se todos os brasileiros fossem se inflamar a cada episódio, de duas uma: ou viveríamos em constante guerra cível, como Angola viveu durante três décadas; ou a porcentagem de brasileiros que sofreriam infarto com até 25 anos de idade, seria assustadora. Sendo tio pela primeira vez, fico pensando se não é uma questão de egoísmo colocar uma criança neste mundo, só para minha satisfação pessoal. Só por prazer de ser pai. E que mundo oferecemos a essas crianças?

Rafael Veloso

Jornalista formado pelo Centro Universitário da Bahia - Estácio em 2009. É editor-chefe do site Rafael Veloso.com.br desde 2003. Atuou com produção de programas de TV e rádio, tem experiência com web jornalismo e há 11 anos trabalha com Assessoria de Comunicação Interna e Externa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *