TCA de Braços Abertos apresenta programação LGBTQ+

O espetáculo Criança Ferida ou de como me disseram que eu era gay abre a programação temática LGBTQ+ do TCA de Braços Abertos. O projeto, onde o palco digital do Teatro Castro Alves no YouTube abriga temporadas de obras diversas criadas na Bahia. No mês de maio o TCA de Braços Abertos receberá iniciativas que pautam as experiências de pessoas LGBTQ+. O tema foi escolhido em referência ao Dia Internacional da Luta Contra a LGBTQfobia, em 17 de maio.

Com texto e atuação de Vinicius Bustani, e direção e dramaturgia de Paula Lice, o espetáculo Criança Ferida ou de como me disseram que eu era gay que estreou de forma online no projeto na última quarta-feira (dia 5 de maio), ficará disponível no YouTube do TCA até domingo (dia 9). A montagem se propõe a falar sobre homofobia velada e já naturalizada nas nossas relações mais íntimas. A ideia é alertar para a necessidade de uma revisão de hábitos, chavões e até as boas intenções que acabam por criar gerações de crianças solitárias, confusas, com sensação de isolamento e falta de lugar no mundo.

“A gente não se dá conta da nossa sexualidade, a gente é informado pelo mundo, somos apontados pelos outros como gays e muito cedo recebemos essa informação como uma coisa negativa”, ressalta Vinicius Bustani. Através de situações cotidianas, numa mistura entre relatos biográficos e ficção, a narrativa evoca momentos e imagens da infância, que marcam o começo da percepção da homofobia, que assume que o desejo divergente da heteronormatividade é errado. “Criança ferida” versa sobre os tipos de danos que isso causou em Vinicius, e que também afeta tantas crianças e adolescentes que começam a aprender sobre si mesmos dessa forma.

Para se aventurar nessa jornada pessoal, o ator convidou a atriz, diretora e dramaturga Paula Lice para compor direção e dramaturgia do projeto. Os dois, em processo colaborativo, deram forma ao espetáculo que já tem mais de um ano de trajetória. Em 2020, durante a pandemia, o ator fez quatro apresentações da sala da própria casa, intitulado Alive! em casa, transmitida pelo YouTube. A nova temporada foi adaptada ao formato audiovisual com câmera, edição e transmissão assinadas por Gabriel Valente, e adaptação de arte e luz, e design gráfico, de Vinicius Bustani.

“Criança Ferida” tem direção musical de Heitor Dantas, direção de arte de Lia Cunha e Tiago Ribeiro, desenho de luz de Larissa Lacerda, arte gráfica de Lia Cunha, operação de luz de Larissa Lacerda e Juliana Molla, operação de som com Daniel Silveira, produção de Tais Bichara e Vinicius Bustani.

Próximas edições

Ainda em maio, no dia 12, o TCA de Braços Abertos recebe a performance Maria, um rito para a minha avó, de Leandro Santolli; em 19 de maio, o filme Jessy, dos artistas Rodrigo Luna, Ronei Jorge e Paula Lice, ficará disponível para o público no YouTube do TCA. Além disso, em duas sextas quinzenais, o projeto receberá outras obras locais: no dia 7 de maio, o docudrama Memória do Teatro na Bahia, concebido por João Guisande; já o espetáculo O Último Capítulo vai ao no ar no dia 21 de maio.

Serviço:

O quê: Espetáculo Criança ferida ou de como me disseram que eu era gay, no projeto TCA de Braços Abertos

Quando: até dia 9 de maio (domingo).

Onde: No canal do Teatro Castro Alves no YouTube

Quanto: Gratuito

Rafael Veloso

Jornalista formado pelo Centro Universitário da Bahia - Estácio em 2009. É editor-chefe do site Rafael Veloso.com.br desde 2003. Atuou com produção de programas de TV e rádio, tem experiência com web jornalismo e há 11 anos trabalha com Assessoria de Comunicação Interna e Externa. E-mail: contato@rafaelveloso.com.br.