Wagner Moura participa da pré-estreia do filme “Marighella”, em Salvador

A pré-estreia do filme Marighella, do ator e diretor Wagner Moura, movimentou o Teatro Castro Alves, em Salvador, na noite desta segunda-feira (dia 25). O filme, que conta a história de Carlos Marighella (1911 – 1969), marca a estreia de Wagner como diretor. O longa foi exibido pela primeira vez no Festival Internacional de Cinema de Berlim, em 2019 e tem estreia nos cinemas de todo o Brasil no dia 4 de novembro, data que marca os 52 anos da morte do guerrilheiro baiano.

A cinebiografia do líder baiano, ex deputado federal pelo Partido Comunista Brasileiro assassinado em 1969 pelas forças de repressão aos movimentos de resistência ao golpe militar de 1964, se baseia em obras e pesquisas, dentre elas a biografia Marighella: O guerrilheiro que incendiou o mundo, escrita pelo jornalista Mário Magalhães. Protagonizado pelo ator e músico Seu Jorge, o longa-metragem de quase três horas de duração teve algumas cenas gravadas na histórica cidade de Cachoeira, no recôncavo baiano. O filme ainda traz no elenco os atores Adriana Esteves, Bruno Gagliasso e Humberto Carrão.

A sessão de pré-estreia do filme em Salvador foi apenas para convidados, entre eles o filho do guerrilheiro, o advogado Carlos Augusto Marighella e a neta, a atriz e vereadora de Salvador pelo PT, Maria Marighella, que atua no filme, além da imprensa, artistas, militantes políticos e familiares do diretor. A torcida organizada do Esporte Clube Vitória, Brigada Marighella e o Coletivo Coalizão Negra foram convidados ao palco na abertura da sessão.

O público presente recebeu Wagner Moura e o elenco do filme sob aplausos e aos gritos de “Fora Bolsonaro”, “Marighella vive” e em homenagem ao jornalista Wladimir Herzog, torturado e morto pela ditadura militar em 25 de outubro de 1975. Na área da bilheteria do Teatro Castro Alves (TCA) manifestantes exibiram uma faixa com a frase: “Levante-se contra a censura. Marighella vive!”.

Em discurso emocionado, Wagner Moura fez um histórico do seu primeiro filme, lembrou a censura imposta pela Agência Nacional do Cinema (Ancine), criticou o retrocesso democrático no governo Bolsonaro e destacou o papel do líder revolucionário no combate à ditadura militar brasileira. “Este filme é sobre o amor e é uma honra lançá-lo no TCA , na minha terra, onde está meu axé”, declarou o ator e diretor baiano.

Wagner Moura participa da pré-estreia do filme "Marighella", em Salvador
Faixa contra a censura foi estendida na bilheteria do Teatro Castro Alves (Fotos: Claudia Correia)

Claudia Correia

É assistente social, professora, mestre em Planejamento Urbano e Regional, jornalista e colaborado do site Rafael Veloso.com.br. E-mail: ccorreia6@yahoo.com.br